Os Caçadores

ft_06Na região de Itaúnas a ocupação humana recua, segundo o arqueólogo Celso Perota, a pelo menos 500 a.C., época em que ainda não existiam as dunas que depois cobriram seus acampamentos e mudaram o curso do rio.

A alimentação baseou-se na pesca, coleta de moluscos e em menor grau na caça de animais do ambiente ribeirinho.

Com o recuo do mar e o desaparecimento do mangue, a caça e a pesca desempenharam um papel mais importante. O desaparecimento desses grupos foi estimado por Perota em 500 d.C.

Vestígios desses primeiros habitantes de Itaúnas encontram-se em pelo menos seis localidades dentro do Parque e podem ser filiados à tradição Itaipu.

Essas populações viviam em pequenos acampamentos e dominavam a técnica de lascamento bipolar.
Os instrumentos obtidos a partir de pequenos seixos foram provavelmente encabados e serviam para cortar, raspar e perfurar. As pontas de osso polido serviam para caçar e pescar e os instrumentos semi-polidos foram utilizados para moer e produzir fogo.

Os adornos de osso e os corantes minerais vermelhos expressam diferenças de idade, sexo e posição social.

Como ainda não foram encontrados esqueletos humanos dessas populações, fica em aberto se elas representam adaptações locais dos sambaquianos ou constituem grupos distintos.